Relógio Atômico

Relógio Atômico

Estamos numa época em que já nos acostumamos a falar e ouvir sobre energia “Atômica”. Infelizmente, já estamos até nos acostumando às notícias de acidentes envolvendo essa poderosa energia. Mas você consegue imaginar um relógio movido por ela?

Sim, estamos falando aqui de um relógio, aquele aparelho super popular que nos mostra as horas, esse mesmo.

Acredita-se que o relógio começou a ser elaborado a mais de 5.000 anos,  e seu sistema de funcionamento teve importantes etapas de evolução. A princípio, era apenas um objeto afixado em campo aberto, e a sombra por ele projetada, conforme a posição do sol, nos mostrava aproximadamente em que período do dia estávamos.

Com o passar do tempo, foi adquirindo números, ponteiros, e as informações que apresentava ao observador foram sendo detalhadamente enriquecidas, dividindo dias em horas, horas em minutos, minutos em segundos…

Como o relógio foi se transformando em uma verdadeira máquina, surgiu a necessidade de uma fonte de alimentação para seu funcionamento, que também sofreu suas evoluções, partindo de pêndulos para cordas, de cordas para pulsos elétricos, depois as baterias eletrônicas.

Essas transformações foram dando ao relógio uma precisão cada vez maior, até chegarmos ao ponto de termos máquinas quase perfeitas.

Atualmente um relógio de qualidade é tão preciso, que sua margem de erro não passa de 1 segundo ao ano. Isso já é algo surpreendente, considerando que apenas uma hora tem 3.600 segundos.

Agora pense na possibilidade de se criar um relógio que seja muito mais preciso do que isso!

Parece ser no mínimo… desnecessário! Certo?

Mas acredite, já tiveram essa idéia, já desenvolveram esse projeto, e já existe esse relógio, e não é de hoje. Talvez seu avô nem fosse ainda nascido quando o primeiro relógio atômico foi fabricado. Para se ter uma idéia, o mais preciso relógio atômico do mundo foi criado em 1949, ou seja, está completando seus 70 anos de existência.

Essa maravilha da engenharia possui um sistema automático de correção constante, através da vibração de átomos, que faz com que sua precisão seja algo surreal.

Mas para que tanta precisão? Qual o propósito disso?

Bem, se levarmos em consideração que atualmente aviões são guiados via GPS, que calcula a posição da aeronave levando-se em conta o tempo que o sinal emitido pelo satélite leva para chegar à mesma, e que a cada 3 nanossegundos de distorção nesse tempo acarreta em um erro de um metro na leitura do posicionamento desse avião, já podemos considerar a existência desses relógios atômicos como indispensável.

Quanto aos encontros amorosos, acredito que uma precisão dessas talvez pudesse abalar um pouco o lado romântico desses preciosos momentos. Nesses casos, o melhor mesmo é nos guiarmos pela posição da lua.

master

Envie-nos seu comentário

%d blogueiros gostam disto: