Qual o limite da sede?

Qual o limite da sede?

Mais de 75% de nosso corpo é composto por água, e isso não é mais novidade a muito tempo. Mas quanto desse volume de água temos que perder para sentirmos sede?

Claro que cada corpo é um verdadeiro universo, e por isso, além de variar a composição de cada um deles, vai variar também os limites que desencadeiam as sensações em cada um, e isso inclui a sede.

Estudos recentes indicam que um ser humano consegue permanecer vivo com até 90% da água que deveria ter em seu corpo, mas se essa deficiência for além disso, pode leva-lo à morte, e os sinais começam muito antes disso. Para se ter uma idéia, se a quantidade de água em seu corpo diminuir aproximadamente 5%, provavelmente você sofrerá um desmaio.

Podemos considerar o corpo humano como uma máquina perfeita, projetada e construída com os melhores materiais, e com uma engenharia tão avançada, que até mesmo hoje, praticamente 20 anos passados da virada do milênio, nem os melhores cientistas, nos mais avançados laboratórios do mundo, são capazes de nem mesmo compreender plenamente o funcionamento dessa maravilha criada por Deus.

Para cada necessidade do corpo, ele possui um tipo de “alarme”, que nos avisa sobre o que devemos fazer para mantê-lo saudável. Um desses alarmes é a sede, que nos avisa sobre a reposição da água antes mesmo que 1% seja perdido, através do suor, da urina ou por outro processo realizado por esse corpo.

Esses alarmes são tão perfeitos, que se não realizamos as tarefas para desativá-los, eles se intensificam seus sinais até ficarem insuportáveis.

No caso da sede, seus primeiros sinais são a diminuição da saliva, a boca começa a ficar seca, depois a garganta, passando pelos pulmões, que começam a oferecer uma sensação de inflexibilidade e cansaço. Se mesmo assim a deficiência da água não for suprida, os sinais da sede começam a serem sentidos através de sinais de dor, pois o sistema nervoso começa a se manifestar, diminuindo o fluxo de oxigênio distribuído nos tecidos musculares, que começam a ficar doloridos. Se assim mesmo o corpo não for suprido pela reposição da água, pode entrar em colapso e gerar um desmaio.

Esse é um dos últimos recursos que o corpo utiliza para exigir que se tome alguma providencia a respeito. Como já dissemos, quando chega nesse ponto, a perda de água do corpo já está ultrapassando os 5%.

Vai uma aguinha aí?

master

Envie-nos seu comentário

%d blogueiros gostam disto: